quarta-feira, 9 de julho de 2008

Se meu estomago falasse...

Voltando de Socorro hoje, paramos em um restaurante beira de estrada. Bem receptivo, com aquel atendimento agradável típico de interior. R$9,90 á vontade. No menu, nada mais que comida típica mineira. Torresminho, tutu, abobrinha, lombo e afins. Além disso, churrasquinho na hora. Coração, picanha, frango... Mas o melhor de todos: a feijoada! Boa demais, porém... Muito couro... e se não bastasse, PÊLOS!Muitos pêlos...pêlo no rabo, na orelha. Mas tava uma delícia, não dava pra ficar separando. Fiquei pensando o que uma falta de depilação não faz, não? Imaginei a reação do meu estomago caso ele fosse consciente. "Ué, mas que porra que o Gustavo tá comendo (no bom sentido, ok?)? Engoliu um gato inteiro? Mas pensem comigo: como seria se as partes do corpo fossem inteligentes? Se eles pudessem falar conosco. Tá demais! - diria o fígado de alguns. Mas que merda heim? - diria o intestino. Penso que algumas partes se fariam de mudos, outras entregariam muitas intimidades. Se você entrar nessa loucura, deixe nos comentários o que alguma parte de seu corpo poderia dizer.

Um comentário:

Tu disse...

uhuuuu...pêlos!!!